Como os hotéis podem se adaptar ao Google Travel

Como os hotéis podem se adaptar ao Google Travel

Demorou, mas, finalmente, o Google está abrindo ainda mais seu leque de atividades para englobar serviços para viagens. O Google Travel é nova ferramenta da Big G que chegou causando alarde no universo hoteleiro.

Analistas do mercado do turismo já apontam para a nova realidade: Google e Amazon estão chegando para movimentar o atual mercado, desafiando o duopólio dos Grupos Expedia e Booking Holdings. Elas são detentoras de boa parte dos mais populares serviços de compra de passagens e hospedagens via internet. 

Nesse novo rodada de briga de gigantes, cabe aos hotéis tirarem o máximo de proveito, ou seja, compreender qual é o potencial do Google Travel e como os empreendimentos hoteleiros podem se adaptar à nova ferramenta. 

Separamos abaixo algumas informações sobre o Google Travel para que você possa ampliar suas perspectivas sobre essa nova OTA. Saiba como ela pode trazer uma oportunidade de ruptura em um mercado que estava bastante sólido e estabilizado. Boa leitura!

O que é o Google Travel?

Trata-se do novo serviço de consulta de hospedagem e passagens aéreas lançado pela Google para competir no mercado das agências de viagem online, as OTAs. O Travel é a junção de 3 serviços que o Google oferecia separadamente aos internautas: 

  1. Google Flights;
  2. Google Hotels;
  3. Google Trips.

A ideia foi criar um sistema capaz de buscar serviços de transporte e hospedagem e, ao mesmo tempo, concentrar conteúdos interessantes sobre turismo, viagens e lazer. Como o Google é bastante abrangente em termos de serviços digitais, conteúdos e ferramentas, a base de dados sobre os usuários é gigantesca. 

É claro que eles utilizam essas informações para apresentar conteúdos personalizados e coerentes com seu perfil, e isso amplia – e muito – as chances de conversão. O sistema é inteligente o suficiente para captar informações sobre reservas de hotel e vouchers de passagens enviados ao Gmail do usuário para apresentar uma interface já customizada do Travel.

Essa é a grande sacada: conteúdos personalizados, otimização de pesquisa e resultado com base em dados. A ideia é oferecer uma ferramenta capaz de apresentar em uma única tela praticamente todas as informações que uma pessoa precisa para viajar a um destino. E por falar em integração, a ferramenta ainda engloba algo extremamente útil para os turistas, o Google Maps. 

Resumindo: Em uma única interface, o usuário terá em mãos as informações sobre sua viagens, as passagens, diárias de hotel, passeios, dicas sobre o destino e informações para auxiliar no planejamento do roteiro.

Como os hotéis podem aproveitar o potencial do Google Travel? 

O Google Travel utiliza todo o potencial de sua search engine para apresentar aos usuários os melhores resultados para sua pesquisa. Isso significa que todos aqueles cuidados necessários para SEO se tornaram ainda mais importantes. Eles vão auxiliar tanto na busca orgânica feita diretamente no google.com quanto no google.com/travel. 

As buscas serão ranqueadas com foco na pesquisa de intenção do usuário e nem tanto em palavras-chaves. Isso significa que as buscas serão otimizadas com base em conteúdos e páginas, para responder perguntas como “Onde me hospedar no bairro do Morumbi” em vez de ranquear com base em keywords como “hotel morumbi”.

Além do potencial do motor de busca, o Google vai utilizar a base de dados do Trips e do próprio Google Maps. O Google Trips foi um serviço de pesquisa de hospedagem e transporte para viajantes que, inclusive, possuiu uma versão mobile. Ele foi descontinuado em agosto de 2019.

Diferenciais do Google Travel

O Travel tem como diferencial ser a versão desktop e aprimorada do Trips, reunindo mais informações e saindo de uma interface puramente comercial para algo misto, capaz de agregar conteúdos informativos e dados de precificação e disponibilidade para pesquisa dos usuários.

Atenção: Diferente das OTAs, o Google não cobra comissão sobre a venda das diárias e passagens. Sua forma de monetizar o Travel vai ser com base em anúncios feitos pelos hotéis, agências e pelas próprias OTAs.

Diante desse cenário, cabe aos hotéis tomarem atitudes como:

  • Manter o SEO de seu site bem feito para obter um bom ranqueamento;
  • Desenvolver conteúdos para ampliar sua força nas pesquisas;
  • Utilizar o Google My Business para cadastrar o empreendimento na base de dados do Google;
  • Mantenha as informações da empresa sempre atualizada no Google;
  • Utilizar um motor de reservas em seu site;
  • Manter a disponibilidade e precificação sempre atualizada nos distintos canais de vendas;
  • Manter uma boa distribuição das diárias em diferentes canais.
  • Reservar uma quantia para investimentos em anúncios no Google.

Você pode pensar “por que eu vou continuar pagando comissão para OTAs se eu posso utilizar o serviço do Google para me manter disponível aos consumidores?”

A resposta é simples: Por mais que o Travel seja uma ameaça à soberania das OTAs, elas não descartam sua validade. Pelo contrário, apostam no potencial da ferramenta e estão fazendo anúncios nela.

Seu hotel pode ser ranqueado ao fazer um anúncio diretamente usando o Hotel Ads do Google. Porém, ele também pode ser promovido pela própria OTA, o que não deixa de ser positivo, mesmo com a alta taxa de comissão a ser paga. 

Apesar de recente, o Google Travel apresenta diferenciais bastante atrativos que podem fazer dele a nova Meca das pesquisas de viagem na internet. 

Todo o hotel que pretende potencializar seus resultados deve apostar nessa ferramenta, que vem com a chancela da maior empresa de tecnologia do mundo e possui todos os recursos necessários para atrair um público que preza por informação, conteúdo relevante e recursos para precificar suas necessidades. 

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu